Felipe Lacerda - o escritor que diz Ni

Janeiro 27 2010

Depois de certo recesso, estou aqui devolta. E gostaria de dizer que venho acompanhado meu próprio blog (???) esse tempo todo, inclusive comentado nele como um leitor (usando meu nome mesmo). E estou realmente espantado abismado com a quantidade de pessoas que comentaram em posts diferentes, com opiniões diferentes e as mais variadas possíveis sobre ó último post. Embora não deva explicar, eu vou: Fui promovido no emprego  e essas duas últimas semanas foram tragicamente desgastantes, repleta de pepinos a serrem resolvidos e reuniões chatas de empreendedorismo (empreeder não é chato, mas divagar sobre, é). Seguindo à risca o curso do meu plano audacioso de enriquecer até Maio, fui promovido na empresa onde trabalho. Aplausos para o empenho do loiro aqui, que agora é Orientador Comercial. Não apenas vendo como sou responsável pelos empreedimentos da empresa nesse âmbito. É todo um trabalho sendo reconhecido, isso é legal. Trabalhoso, mas legal.  

Mas enfim, é o seguinte: Ser um escritor é quase nada se você não for lido. Tentei dizer isso para um "N" número de pessoas que conheci ao longo desses 22 longos-anos-luz. 

E hoje, sentei na cama, liguei o som e deixei Damien Rice cantar baixinho. Eram 7 e meia da manhã. Passei 2009 inteirinho na cabeça, e ainda o cadinho que rolou de 2010 até agora.

Contabilizei lucros financeiros, contabilizei avanços na qualidade de vida. Contabilizei evoluções emocionais e de maturidade. 

Mas principalmente, contabilizei isso: Reconhecimento pela arte que faço.

Falta ainda um longo processo de descobertas e avanços, falta muito a ser feito e visto.

Mas do que já foi, tô com um puta orgulho. Coisas que nem preciso listar aqui, que se checar bem pelo blog vai sacar logo o que é. Da literatura ao vídeo, da música ao relacionamentos interpessoais. Da vida ao cinema mudo. 

Pessoas que conviviam comigo a dois anos atrás iriam adorar estar aqui agora.

Uma rede lançada em alto mar me trouxe peixes e pérolas.

Li grandes livros. Escrevi grandes livros. Saciei minha sede de amor, há agora espaço para o novo, o inédito, o que nem sonhei ainda.

Todo mundo achou que a "cartinha" que publiquei para Mariana Martins foi uma declaração de amor. Mas na verdade foi um tchauzinho dispistado, tímido, um adeus que a gente não quer dar, mas a vida acelera para todos os lados. Aquela cartinha, na forma de um singelo bilhete pueril, é só um beijo na bochecha ao se despedir de alguém que se gosta muito.

Vai com os anjos, linda.

Outra coisa: Quero agradecer efusivamente o comentário do digníssimo ex-guitarrista da nossa Borboleta Mecânica, Daniel Wanellle.  Você estava lá, cara. Só nós sabemos o frio que era subir no palco. Só nós sabemos, amigo, o terrível que foi saber demais.

Te adoro, cara. Sorte no C-4, sorte onde quer se meta. Que tomemos muitos porres juntos pela vida afora.

E aproveitando o embalo, um trecho do comentário dele, que eu achei especificamente curioso, inteligente e engraçado, como sempre somos por aqui:

 

"...o pessoal já comentou tudo aí em cima, mas voce escreveu uma coisa que eu fiquei aqui pensando, realmente a fêmea humana (leia-se mulher) é a unica que precisa ser mais bonita para conquistar o macho(leia-se caboco), aí eu lembrei do galo-da-serra uma ave que o macho exibe uma plumagem belíssima de cores quentes e uma crista parecendo um leque extremamente bonito já a fêmea é feia demais mais muito feia mesmo! kra! se eu fosse um galo-da-serra eu virava gay, juro."

 

Um abraço pra todo mundo que conheci nesses últimos tempos e os que já conheci de outros natais.

Você são muito, muito mesmo pra mim. Não duvidem disso.   

 

publicado por Felipe Lacerda às 18:26

http://www.cultura.gov.br/site/2010/01/27/editais-cinematograficos/

tirando o fato da minha mão esquerda estar doendo estou bem.
em fevereiro tem carnaval na minha vida. meu mês de féras já que começo a trabalhar em março. ganhando bem, muito bem.

tenho a dizerque tenho escrito pouco porque estou bastante feliz, e que os planos sobre reconhecimento vão bem. Promissores como podem ser.

be happy.
cochise a 28 de Janeiro de 2010 às 02:25

eu escrevo mais quando estou com raiva ou com fogo.

felipe, eu tô no meio disso td aí? se estiver, eu falo o mesmo p vc. se n estiver, tbm falo.

aparece hoje no gravatá às 18:00. talvez vc nunca me veja tocando e cantando músicas minha outra vez.
amanda a 29 de Janeiro de 2010 às 15:39

Alto, loiro, sarcástco, finamente irônico, ator, escritor, ano 87, à alcool, sére luxo, estofado de couro, rodas de liga leve, direção hidráulica...
O Autor
comentários recentes
Muito bom o seu post. A poesia é alog que sempre v...
Na boa cara, muito pomposo este seu artigo, mas v...
Adoro este blog e já o leio à alguns dias a acompa...
Eu não sei quem sou e você sabe quem é? E se não s...
"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de alm...
deve se orgulha sim você é o OVULOZORD Da turma a ...
Como vc num deu nome aos bois, vou concluir que fo...
Como estabelecido entre o conselho nobre... aqui e...
Aquela do "rédeleibou ou aici" é pior... Vai por m...
http://poecinzas.blogspot.com/2009/09/uma-carta-pa...
pesquisar