Felipe Lacerda - o escritor que diz Ni

Janeiro 07 2010

Somos etéreos

Eternos cabisbaixos na correria do tempo

(Não vemos o tempo passar?)

 

Somos falácias de um velho beberrão

somos piratas de uma nova geração

(Pra quê rimar?)

 

Embalsamados em vinho tinto

Desnutridos de paixão

(um homem é a soma de seus vícios)

 

Queria saber mais sobra as estrelas

e menos sobre as sombras de seu rosto

(e seus gostos, seus vícios, seus martírios, seu tesão)

 

saberemos matar matar mamutes

e desbaratinar moinhos

(enfrentar o dragão)

 

Mas não somos, em toda a nossa infinita sabedoria dos punhos

rebater seus olhares gelados de ser cognitivo

(essa não)

 

Queroamaispurasomadetodososmedos

que subtraia meu temor

(numa maldita tarde de sol)

 

Por que você se fez tão linda?

publicado por Felipe Lacerda às 16:26

leia sua caixa de e-mail.
amanda a 9 de Janeiro de 2010 às 22:52

Faz tempo esse post.
Acabei não falando que quero ouvir a música
cochise a 13 de Janeiro de 2010 às 14:19

Alto, loiro, sarcástco, finamente irônico, ator, escritor, ano 87, à alcool, sére luxo, estofado de couro, rodas de liga leve, direção hidráulica...
O Autor
comentários recentes
Muito bom o seu post. A poesia é alog que sempre v...
Na boa cara, muito pomposo este seu artigo, mas v...
Adoro este blog e já o leio à alguns dias a acompa...
Eu não sei quem sou e você sabe quem é? E se não s...
"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de alm...
deve se orgulha sim você é o OVULOZORD Da turma a ...
Como vc num deu nome aos bois, vou concluir que fo...
Como estabelecido entre o conselho nobre... aqui e...
Aquela do "rédeleibou ou aici" é pior... Vai por m...
http://poecinzas.blogspot.com/2009/09/uma-carta-pa...
pesquisar