Felipe Lacerda - o escritor que diz Ni

Novembro 12 2009

_Sabe, Felipe... acho que devíamos terminar esse relacionamento.

_Que relacionamento? Nós fomos duas vezes ao cinema, trocamos alguns carinhos... falamos de Dr. House. Terminar o quê exatamente.?

_Você parece ser um cara legal, mas é muito inteligente.

_Uau... estou levando um fora num relacionamento que não existe por não ser burro? Será que só eu acho que isso não faz sentido?

_Não é bem assim. Existe uma química entre nós dois. Não seja fingido.

_Uma certa eletricidade, paixão avassaladoramente carnal, talvez.

_Não seja tão anti-romântico.

_Quer saber. Eu desisito de explicar. Mas não podemos terminar porque não começamos. Nós nem...

_Nem...?

_Nem. Você sabe.

_Sexo?

_Fale baixo. Não queremos ofender a moralidade ao redor.

_Felipe Lacerda está realmente ofendido por levar um fora de uma garota que não transou com ele?

_É, ele... quer dizer, eu...ah, qual é. Não banque a espertinha.

_Então não banque o idiota.

 

(Silêncio constrangedor)

 

_É uma situação delicada. Então não vamos mais discutir Dr. House.

_Nem ir ao cinema, Felipe.

_Posso perguntar porque?

_Já disse. Você é demais pra mim.

_Ah, num enche. Fale qualquer coisa... não gostou da minha voz, do meu cabelo, do meu riso... mas não me venha com essa.

_Mas é a verdade. Não quero mais sair com você porque a partir daqui vai ficar perigoso.

_Putz.

_Vou acabar me apaixonando.

_E?

_E o quê?

_O problema é...?

_Não quero me apaixonar por você. Sei do seu passado.

_Olha, eu até beijei um cara.. mas foi sei lá, meio que um experimento. Não deu certo, não gostei...

_Calaboca, loiro. Não me importo com isso. Tô falando das suas ex-namoradas.

_Ih, fodeu.

_Foram muitas.

_O que prova muito mais uma ecleticidade da minha parte que galinhagem em si.

_Eufemismo.

_Socorro!

_E é por isso que eu não quero me apaixonar pelo Don Juan aí.

_Não, não... tá tudo errado. se eu fosse um cafajeste já teria forçado a barra pra gente... e a gente nem...

_Nem...?

_Nem. Nadica de nada. Eu... sei lá... achei você legal, só isso. Não estou lhe pedindo em casamento.

_Tenho uma idéia.

_desde que não envolva outro homem, eu topo.

_Podemos ser amantes.

_Doida. Precisamos ter a quem trair para ter um amante.

_Podemos ser apenas... você sabe...

_como assim, que história é essa?

_Podemos trocar uns carinhos, amizade colorida, sem compromisso, sem se apaixonar...

_dar uns pegas de vez em quando?

_Estava evitando colocar as coisa por esse lado, Felipe.

_Tá, eu topo.

_Como assim você topa? Você é um cafajeste mesmo!

 

(Pof! Pow! Soc!)

 

_Peraí!  Peraí! Que foi que eu fiz??

publicado por Felipe Lacerda às 13:25

Alto, loiro, sarcástco, finamente irônico, ator, escritor, ano 87, à alcool, sére luxo, estofado de couro, rodas de liga leve, direção hidráulica...
O Autor
comentários recentes
Muito bom o seu post. A poesia é alog que sempre v...
Na boa cara, muito pomposo este seu artigo, mas v...
Adoro este blog e já o leio à alguns dias a acompa...
Eu não sei quem sou e você sabe quem é? E se não s...
"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de alm...
deve se orgulha sim você é o OVULOZORD Da turma a ...
Como vc num deu nome aos bois, vou concluir que fo...
Como estabelecido entre o conselho nobre... aqui e...
Aquela do "rédeleibou ou aici" é pior... Vai por m...
http://poecinzas.blogspot.com/2009/09/uma-carta-pa...
pesquisar