Felipe Lacerda - o escritor que diz Ni

Novembro 03 2009

Causando furor com o que sinto no meu universo pequeno e volátil de comercial de margarina, ponho-me a à prova do tempo, o verbal: Eu fui, sou ou serei? Como bem disse Amanda, às vezes "ensaudar-se" pode vir eternamente no gerúndio, atado a algo / alguém que não sabemos se foi ou se já era. Sempre precisei de um pouco de atenção, e pra ser bastante honesto comigo mesmo, nunca fui de agradecer muito. Mas quem sabe um dia essa existência frágil de proletário letrado não me imbua de algo bom? Quero dizer, sem demagogias póstumas, acho que certos limites foram ultrapassados com algumas pessoas.

Alguns escritores andam bufando e costurando meu nome na boca de sapo por aí. Se eu disser que não me chateio com isso seria hipocriasia, eu que me declino ao atrito com a sutileza de uma manada de elefantes albinos. MAs eles... eles não sabem da missa a metade sobre os demônios que carrego no umbigo.

Certas vezes, conjugando essa maldita que agora é verbo (a saudade), me pergunto se o espaço que coloco entre meu mundo e o seu é apenas uma limitação fronteiriça.  Sempre estipulei entre mim e o universo alheio uma situação limítrofe bastante acentuada: Dessa linha pra cá sou eu, daqui pra lá é você. Isso não deve ser confundido com egoísmo nem individualsmo exacerbado. Um olhar menos afetado vai poder enxergar que o que faço é puro medo de ser pêgo de calças curtas.

A verdade do meu tempo verbal é o gerúndio, concordo com a guria. "Vou estar sendo" o tempo todo. MAs isso gera saudade, pois coloca as coisas num futuro tão próximo, mas intocável ainda.

Em certas tardes de feriado, como a última, prefiro ficar em casa jogando videogame. Por que sou um eterno covarde, vivo afinando pra mim mesmo. Embora carregue no olhar e no jeito impetuoso de ser a audácia dos canalhas, eu sei que sou apenas um criancinha brincando com um cavalinho de pau.

SERIA UM CAUBÓI SE TIVESSE MEIA CHANCE.

publicado por Felipe Lacerda às 14:03

tá esperando quem te dar meia chance, call -boy?

ou a fala de que espera e depende de algo/alguém é um conforto na alma de quem tá com medinho?

deixe seu cavalinho de pau ser guiado.

quem tiver que entender o fará sem esforços superumanos.
amanda a 4 de Novembro de 2009 às 11:45

"E por falar em Saudades, onde anda você???"

Acho que nunca te vi tão denso em um post... gotei muito, meu Lôro!

Abraços,
Imcompreendida a 5 de Novembro de 2009 às 00:14

Alto, loiro, sarcástco, finamente irônico, ator, escritor, ano 87, à alcool, sére luxo, estofado de couro, rodas de liga leve, direção hidráulica...
O Autor
comentários recentes
Muito bom o seu post. A poesia é alog que sempre v...
Na boa cara, muito pomposo este seu artigo, mas v...
Adoro este blog e já o leio à alguns dias a acompa...
Eu não sei quem sou e você sabe quem é? E se não s...
"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de alm...
deve se orgulha sim você é o OVULOZORD Da turma a ...
Como vc num deu nome aos bois, vou concluir que fo...
Como estabelecido entre o conselho nobre... aqui e...
Aquela do "rédeleibou ou aici" é pior... Vai por m...
http://poecinzas.blogspot.com/2009/09/uma-carta-pa...
pesquisar