Felipe Lacerda - o escritor que diz Ni

Junho 30 2009

Encerradas as sessões de terapia existencial que vinham sendo promovias na última dezena de reuniões de autores sobre o livro LONGAS ESCADAS, a fábrica de sonhos, Dream Factory, empresa fantasma e imaginária deste loiro pós-punk que vos fala, está caminhando para outras obras. O longas escadas rendeu longos, looongos, mas muuuito longos dois anos de trabalho, debate, autocrítica, amadurescimento forçado e violência física.

Ao longos desses dois anos, o LONGAS ESCADAS veio sendo concebido numa orgia pública promovida  por nós três, essa trindade insossa. Para quem gosta de nomear os bois, like me, os culpados desse balbúirdia literária são Franco NAscimento, Paulo Mendonça, e este humilde mim, Felipe Lacerda.

O livro está acabado. É fato, nem posso acreditar. Merece um documentário da BBC a prosopopéia que foi escrever essa história à três mãos.

 

Agora, missão cumprida, encaminhado para a editora, o que me resta fazer?

 

Vazio. Olho pra tela do computador, maldito Word, piscando o cursor na tela irritantemente em branco. Outra história de terror? Mais um relato escatológio pseudo verídico e documental, como foi o meu primeiro livro, nos longínquos 2007?

Ou ainda, quem sabe eu escreva outra ousadia antropológica, como o POR ENTRE SUAS PERNAS?

 

"Melhor não, melhor baixar a bola e pensar um pouco" - raciocino, fechando o word. É preciso elevar ainda mais a maturidade e o corpo do texto, é preciso transformar o NOVO livro numa evolução comparativa dos três últimos.

Foi então que danei a pesquisar. E depois de muito pesquisar, decidi que o suspense engajado é algo que me fascina e não pôde ser devidamente explorado. Suspense engajado é o que vou falar aqui uma outra hora. Mas enfim, quero transformar esse novo livro num projeto ainda mais encorpado, mais conciso e sisudo. Quero algo que  represente evolução da minha parte e faça jus ao legado que iniciamos com o Longas Escadas.

 

Até porque, primeiro livro publicado nacionalmente por uma editora, o Longas Escadas vem oficializar os autores como o que sempre fomos de verdade, no final das contas:

 

ESCRITORES.

 

Obrigado pela atenção e paciência com os hiatos entre um post e outro. Mas nada é fácil na terra do frio incandescente.

 

 

publicado por Felipe Lacerda às 13:40

Terminou? -Tenso.
Me lembro de quando de quando tinha começado. Bem, falar o que né. Parabéns, deve ter ficado ótimo. Espero um exemplar para decorar minha carente estante de boas obras literárias.

Como o tempo passa rápido não? Em pensar que eu por muitas vezes permanecí como espectador de grandes discussões a respeito deste livro. O resultado final deve ter ficado ótimo.

Lhe desejo sorte meu caro amigo, embora conhecendo você pelo pouco que conheço, irá despensa-la. hehe.
Espero que este livro venda muito, muito mesmo, assim tu poderás continuar bancando as coca-colas aos finais de semana, hahaha.

Um abraço, até mais.
Velho Felipe a 1 de Julho de 2009 às 18:57

Alto, loiro, sarcástco, finamente irônico, ator, escritor, ano 87, à alcool, sére luxo, estofado de couro, rodas de liga leve, direção hidráulica...
O Autor
comentários recentes
Muito bom o seu post. A poesia é alog que sempre v...
Na boa cara, muito pomposo este seu artigo, mas v...
Adoro este blog e já o leio à alguns dias a acompa...
Eu não sei quem sou e você sabe quem é? E se não s...
"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de alm...
deve se orgulha sim você é o OVULOZORD Da turma a ...
Como vc num deu nome aos bois, vou concluir que fo...
Como estabelecido entre o conselho nobre... aqui e...
Aquela do "rédeleibou ou aici" é pior... Vai por m...
http://poecinzas.blogspot.com/2009/09/uma-carta-pa...
pesquisar