Felipe Lacerda - o escritor que diz Ni

Março 02 2010

 CALMINHA AÍ, CHEGADO!

O blog do Felipe Lacerda mudou de endereço:

 

blogfelipelacerda.blogspot.com

 

 

Nova casa, novos ares, novos textos!

Agora com muito mais ácido,

Ironia fina

e aquele toque blasé que vocês amam odiar.

 

 

publicado por Felipe Lacerda às 14:22

Março 01 2010

Vamos falar sobre ontem. Primeiro show aberto que fiz, primeira apresentação de stand up num grande teatro. E foi FODA! .... tava nervoso pra caralho, cortaram meu tempo pela metade por questões de andamento (coisa que compreendi bem), mas foi FODA! O texto acabou saindo incompleto em razão disso, as coisas não foram tão maravilhosas, não tive tempo. Mas arranquei risadas gostosas. Isso é ótimo. Rompeu aquela insegurança toda que estava sentindo até 15 segundos antes de começar!

TEATRO GRAVATÁ lotadaço. Quer dizer... tinha umas 30 poltonas vazias, eu acho. 

Observações feitas: Tenho MUTO o que melhorar. Texto, interpretação, Set Up... mas quer saber? GOSTEI. E principalmente gostei muito dos comentários que ouvi depois da apresentação. 

Obigado pela força.

Agradecimentos mais que óbvios ao pessoal do Grito Rock que abriu o espaço,  ao pessoal do ANTI HEROI (apesar da minha camisa do superman, foi mauz),

E aproveitando a humildade, quero agradece ao pessoal do fã clube (uau!). Sim, descobri ontem que tenho um fã clube.

Mas... o nome do fã clube é ESPERMA RANGERS!

Devo me orgulhar disso?

publicado por Felipe Lacerda às 14:02

Fevereiro 27 2010

 "Jogue suas mãos para o céu, e aproveite se acaso tiver, alguém que você gostaria que estivesse sempre com você, na rua na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapé"

 

Há alguns dias recebi uma daquelas notícias avassaladoras, que fazem você não pensar em mais nada: Uma grande amiga estava no hospital, passando por procedimentos cirúrgicos. Ela não corria perigo de morte, mas como convencer a minha mente turva e dramática de que isso era uma possibilidade remota? Depois de assistir tantos programas de TV, noticiários e tudo mais, sempre pensamos que os dramas da nossa vida são realmente maiores do que são. E não vamos exagerar, não é?

Mas o fato é que tudo isso me fez parar, novamente, e pensar (como se eu não fizesse isso o suficiente). E mesmo em meio a um turbilhão de coisas de trabalho e resoluções de ano novo (isso significa, dentre outras coisas, enriquecer drasticamente) uma pergunta me colocou uma pulga gorda atrás da orelha:

Quando ouvimos notícias assim, dá vontade de aproveitar a vida, não é? Vêem todos aqueles videozinhos de filtro solar, de Shakespeare, Titãs, na nossa cabeça e pensamos "poxa, a vida termina rápido, é melhor aproveitá-la". Sim, mas a questão não é esta. A questão é: o que diabos é aproveitar a vida?

Será que aproveitar a vida é vender tudo, comprar um barco e atravessar o oceano com um estoque de comida enlatada e um rádio que não pega metade do caminho? Será que é vender água de coco em Porto Seguro ao som da última versão de Macarena em português? Será que aproveitar a vida é largar o seu namorado ou namorada de três anos mornos e começar a dar uma de Samantha em "Sex and the City", pegando só o que dá?

Ou talvez montar um blog, encher-se de ironia, andar com uma bengala tipo House e fazer da mente dos outros um playground? Gosto disso. Do House e do playground, não da bengala.

Eu acho que aproveito a vida. Eu acho. Meu trabalho, eu nem chamo de trabalho, embora o seja. Mas não é tão maçante quanto um balconista, nem tão pesado e sujo quanto um servente de pedreiro, nem nada assim (aliás, antes que mais alguém me ameace dar uma surra, vou logo avisando que meu pai é pedreiro e eu já fui balconista). Meu trabalho envolve coisas  que amo fazer:  CONVERSAR, VENDER, ARTICULAR, MANIPULAR  CONVENCER, ADMINISTRAR, OUSAR, entre  outras coisas que um orientador comercial faz, além de usar uma gravata invocada (falando assim, parece até sou realmente importante). 

Eu sou curioso a ponto da minha mãe sempre dizer que não posso ver um saco fechado chegando em casa que  abro e, assim, eu conheço um monte de coisas novas, da mesma forma em que um dia prendi o dedo numa ratoeira ao tentar descobrir que barulhinho era aquele atrás da geladeira. Eu me considero uma pessoa amiga, pelo menos de mim mesmo. Eu cometo algumas gafes, faço alguns disparates de vez em quando, mas a idéia de pular de pára-quedas ainda me soa como o grande caminho para o Nirvana.

E aí? Será que eu deveria querer pular SEM pára-quedas ou voar de balão na Capadócia para estar de fato aproveitando a minha vida?

Depois de muito analisar e de deixar a minha intuição falar um pouco mais do que isso eu cheguei a uma conclusão, então preparem-se:.Aproveitar a vida é ser você mesmo! (UAU! Uhúúúú! Genial! Augusto Cury!) Se o que te deixa feliz é limpar a casa todinha e fazer um belo jantar para o seu marido, namorado ou gato de estimação, mesmo sem ter nunca saído do seu bairro, que ótimo, você está aproveitando a sua vida! Desperate Housewifes, mas é  a sua vida! Se o mais importante é se aventurar em uma terra desconhecida e você o faz mesmo que tudo seja planejado metodicamente, que bom, você também está aproveitando a sua.

O que não é aproveitar a vida, para mim,  é mesmo tendo tudo isso, não ter paz no espírito ou no coração. Não conhecer a si mesmo a ponto de não ter a menor idéia do que quer fazer com a sua vida. Não olhar para dentro e continuar procurando do lado de fora de você a resposta para todos os seus problemas, seja num amor, numa viagem, indo pro Oriente Médio ou sendo rica e famosa. Não aproveita a vida quem não olha o pôr do sol, mesmo que seja da laje de um barraco, e se sente emocionado, lá no fundinho, com o espetáculo que é a natureza. Não aproveita a vida quem está com pressa de ser e de ter. Quem tem pressa de ser mais feliz, não está aproveitando a vida, mas a encurtando. Quem está preso na própria ansiedade não vive em mundo algum, está só flutuando, como um dente-de-leão, procurando um solo seguro para se firmar. Quem acha que a felicidade está "lá", seja lá onde este "lá" for. 
É claro que eu quero realizações. Mas eu só posso me realizar quando eu viver a experiência por si só. Quando eu tiver um filho, não porque eu quero que alguém cuide de mim na velhice ou porque eu quero ter para quem deixar os meus dólares, mas porque eu quero saber como é a experiência de cuidar de um corpo pequeno que recebeu uma alma grandiosa (sim, porque todas as almas são grandiosas). Eu aproveito a vida no café que eu tomo com um amigo, mesmo que eu tome aquele café pela milésima vez. Aproveito a vida comendo o meu pastel de camarão na feira todo sábado de manhã, plantando sementes no algodão. Eu aproveito a vida quando abro meu armário pela manhã e quero, tenho o tesão de escolher uma roupa, porque é isso que eu mereço. Porque, por mais piegas e lugar-comum que isso possa parecer, a vida é só o que tenho no hoje.
 

 

O amanhã não chegou. O ontem já passou. E o desespero chega justamente quando queremos algo que tínhamos ontem  e não temos hoje, ou que queremos saber se teremos amanhã. Até porque, a hora da morte é sagrada e também precisa ser aproveitada como um novo nascimento. Um nascimento de outro nível, em outras esferas que deverão também ser muito bem aproveitadas.

Aproveite que está lendo este texto, e se perceba. Perceba como está sentado, perceba as partes do seu corpo, o contato do seu corpo com a cadeira. Perceba a maciez das coisas ao seu redor, as cores, os cheiros. Perceba qual é o seu sentido mais aguçado. Isso é viver e aproveitar. No aqui e no agora, da maneira como as coisas são ou estão. Ame intensamente como não se houvesse amanhã. Porque, quando chegar o amanhã, ele será o seu hoje mesmo. Largue a carga que você carrega, não tenha uma lista enorme de obrigações. Sinta o prazer de ser um  pouco só.

Aproveitar a vida é ter prazer. Por que a dor virá, inevitavelmente.

 

 

 

 

 

P.S. Minha amiga está ótima, em casa e se recuperando. Era só um apêndice. 

publicado por Felipe Lacerda às 20:19

Fevereiro 26 2010

Acordei cedo hoje, tomei um cafezin reforçado e fiz um baita pãozão daqueles com qeijo, maionese e coisas exdrúxulas encontradas em latas de conserva. Eram cinco e meia da manhã e eu estava com o olhão arregalado desde as 4. Daí deu no saco de ouvir o repertóio musical da madrugada e resolvi erguer-me da cama. Cheguei na coznha feito um zumbi de Romero.

Determinei naquele instante que meu dia hoje seria diferente do que foi ontem. MELHOR. E está sendo, como tudo que a gente determina.

Confesso que, dentre outras coisas, a demora de atualização desse blog se deve ao fato de estar passando mais tempo no Twitter do que seria saudável a um escritor. Por falar em ser escritor,  a segunda razão da sumida que dei desse espaço foi que ando escrevendo bastante o Movimento Acinético. Vocês vão saber daqui a pouco o que é o Movimentoa Acinético.

Acabei de ler o Lobo da Estepe e superindico para todos os leitores. O livro abre mais a percepção que ouvir The Doors usando LSD e mastigando Tylenol em jejum. Li também, nesse meio tempo de ausência do blog, o genial livro do Danilo Gentilli, "Como se Tornar o Pior Aluno da Escola", e outro do Léo Lins, "Notas de Um Comediante de Stand Up". Parece paradoxal, mas faz certo sentido.

Quem sabe em Março não fecho mais alguns contratos interessantes para o futuro art´sitico do loiro aqui?  Desculpo-me mais uma vez pela ausência aqui neste blog, tenho mil coisas novíssimas para contar.

Queria agradecer ao efusiante trabalho de Mariana Penido, que apesar das interpéries que enfrentamos ainda estamos aqui, firmes e de pé, trabalhando duro paa que o "JE T'AIME" aconteça. E está dando certíssimo, o início das filmagens acontecerá já na primeira semana de Abril (YES, MOTHERFUCKER!).

MAs por hora já posso adiantar que mutos dos antgos projetos estão à mil. Inclusive neste SABADO e DOMINGO, no TEATRO USINA GRAVATÁ, em Divinópolis, acontecerá o GRITO ROCK., com stand Up de Marelle Zumbach...

Vão se apresentar neste festeival as bandas Teoria dos Anjos (Divinópolis-MG) 4Instrumental (Sabará-MG) Marcelo rocha (Gov. Valadares - MG)  Pharmacia (Divnopolis - MG) Capim Seco (Belo Horizonte - MG) e Letto, oriundo das longínquas paragens de Natal.

ENTRADA DE MORRO, MANO. ORDEM DE CHEGADA!

 

publicado por Felipe Lacerda às 18:50

Fevereiro 20 2010

Deve ser alguma forma bizarra de vingança de Deus ao permitir que o ser humano crie algo assim. E o pior é que não sai da cabeça da gente, então tu tá lá na sua mesa de trabalho, mexendo em alguns papéis e contratos de suma importância para alguém que não seja você...

Daí as pessoas começa a parar as atividades ao seu redor e começa a te olhar com uma cara estranha, como se você estivesse comendo um x-burguer na África.

Então voce se toca que estava cantarolando REBOLATION.

Fico imaginando o cara que criou essa porra. Será que o motherfucker acordou inspirado, sentou com o caderninho e pensou: "Como eu vou fuder com a música popular brasileira hoje?" Só aqui na minha cidade tocaram 945 vezes essa música durante o Carnaval. E em Divinópolis nem teve Carnaval, meu! Imagine se tivesse?? Fernanda Young tem razão: Seria bom se os ouvidos tivessem pálpebras.

MAs então, dada a insistência da "música" na minha cabeça, resolvi abandonar o ódio visceral e irrereável e vontade de esganar o filha da puta preconceito e fazer uma nálise clínica da letra dessa composição. Afinal, algo ouvido exaustvamente por zilhões de pessoas não pode ser tão ruim assim, correto? Não foi muito difícil encontrar a letra. Essa pérola da musicalidade brasileira está bombando pela internet afora. Apreciem com moderação. Para não profanar o sagrado da elucubração poética do autor, os meus comentários estarão em vermelho:

 

Rebolation é bom, bom Rebolation é bom, bom, bom (7x)

Note a perfeição da idéia: A primeira "frase" já repete SETE vezes

Bota a mão na cabeça que vai começar

Reparou que toda música de periferia ou "popular" tem essa bendita frase do "mão na cabeça"? Vocês, intelectuais alienados, não percebem que ess é um protesto contra a opressão policial, abuso de autoridade, discriminação? Mas pense comigo: Se tu fosse um policial e topasse com um bando de neguinho cometendo esses crimes contra a musica e o idioma, o que mais você gritaria?
O Rebolation, tion o rebolation, o rebolation, tion, rebolation
O Rebolation, tion o rebolation, o rebolation, tion, rebolation

Você coloca uma panela na cabeça e bate com força usando uma colher de feijão. O som é igualzinho: TION...TION...TION...

Alo minha galera preste atenção Rebolation é a nova sensação
Menino e menina não fiquem de fora que vai começar o pancadão
O suingue é bom gostoso de mais
Mulheres na frente os homens atrás

Mão na cabeça que vai começar

Reúna os amigos ao redor de um fusca equipado com o que há de melhor em aparelhagem de som, montado por aquele seu primo que fez curso de eletrônica e agora acha que é MacGuyvver. Quando a sonzera parar de dar mau ontato, você dá o play no Rebolation, chama aquelas piriguetes do quarteirão de cima e pode começar o churrascão. Só num esquece das cervas, mermão.

O Rebolation, tion o rebolation, o rebolation, tion, rebolation
O Rebolation, tion o rebolation, o rebolation, tion, rebolation

Rebolation é bom, bom Rebolation é bom, bom, bom
Rebolation é bom, bom. Se você fizer fica melhor (2x)

Bota a mão na cabeça que vai começar
O Rebolation, tion o rebolation, o rebolation, tion, rebolation
O Rebolation, tion o rebolation, o rebolation, tion, rebolation

Rebolation é bom, bom Rebolation é bom, bom, bom (4x)

Panela-cabeça-colher de feijão. Todo mundo junto agora.

TION...TION...TION... 

 

 

Se alguém souber o nome do compositor dessa aberração, favor escrever o nome num papelzinho e costurar na boca do primeiro bratáquio que encontrar.

publicado por Felipe Lacerda às 12:08

Fevereiro 17 2010

Gente, eu preciso confessar uma coisa que fiz e falei que não ia fazer de jeito nenhum, inclusive no post anterior eu desci a lenha neles, mas aqui estou eu como prova irrefutável da parcela de culpa que possuímos na hipocrisia ululante no mundo, pois dizemos e redigimos que jamais faríamos determinadas coisas por nenhuma força que exista no mundo, mas confesso que fui fraco e medíocre, motivo do qual venho até aqui retratar minha miséria e vergonha: eu fiz um twitter.

 

 

@lacerdawins

 

 

publicado por Felipe Lacerda às 19:06

Fevereiro 17 2010

Cá estou eu numa quarta feira pós carnaval entediado no trabalho (por isso a falta de acentos, e possíveis erros ortográficos, antes que reclamem) quando um e-mail no meu Yahoo de estimação informa que os nerds do Orkut ainda estão falando de mim. Porra, turma! Uma semana depois do maldito texto que cutucou os vossos anus e voces AINDA estao com a bundinha doida porque alguem falou mal do forum de voces? Sério que a coisa ainda é relevante o bastante pra justificar seis paginas de discussao? Eu começo a pensar que esse forum é tudo que voces tem na vida, porque como mais eu poderia explicar essa devocao quase religiosa pelo ambiente? 

Vou dar-lhes um valioso conselho, que voce pode utilizar para sua vida e melhorar a própria existencia, ou apenas descarta-lo como voce fez com todas as outras pequenas convencoes sociais que o permitiriam ser alguem desejavel pelo sexo oposto:

Existe algo lá fora chamado “mundo real”. O conceito parece complicado, eu sei, mas é bem simples. “Mundo real” é aquele lugar pra onde as pessoas normais vao quando voces estao discutindo na internet as cinco da manha, ou quando voces passam a noite de sabado na frente do computador festejando a vitória em algum Strategy Game russo. Basicamente, o mundo real é aquele lugar que voce trocou pela internet devido a sua completa inabilidade de lidar com outros seres humanos. Vao dar uma saida la fora, voces vao gostar de conhecer o ambiente. Nao se preocupem, seu computador ainda estara ai no quarto da mamae quando voce voltar. Ao inves de ficar vigiando meu blog e meus comentarios e relatando tudo que voce lê aqui pros outros internet warriors, voce poderia interagir com um ser do sexo feminino que talvez nao terá nojo de voce! É uma possibilidade vaga, eu sei, mas é uma possibilidade!

Quem sabe assim voces entenderao que nao é necessario dar tanta atenção e energia a algo que nada mais foi além de uma implicâncaznha de nada motivada por total tédio de minha parte (pode parecer alienígena para vocês, mas eu realmente NÃO ME IMPORTO tanto assim com a quantidade de pessoas que estão lendo meu blog, eu curto mais um lance de qualidade, sacou?) que só tomou as proporcoes que vimos agora porque voces sao nerds mimados que choram se alguem sequer critica o console que a mamae comprou pra voce no ultimo dia 12 de outubro. Vocês vão me odiar por isso, mas eu realmente não gosto do Nintendo Wii - pronto, falei).

Arrumar uma mulher poderia ajudar tambem, vou cruzar os dedos aqui pra voces. Boa sorte em suas aventuras offline e em sua tentativa de estabelecer um relacionamento convencional com outras pessoas que nao sejam a sua familinha faz-de-conta de Ragnarok!

 

***

 

Desculpe por isso, leitor normal que não tem pôsters do Star Trek na parede do quarto, mas isso foi extremamente necessário. Tudo por causa de uns recados melindrosos num fórum que eu entrei para pegar algumas noções para montar um pro-bloger- me chamaram de Nub, deve ser um xingamento no daleto deles - 

Se você tem um modem há mais de dois dias, já deve ter notado que é mais fácil cagar uma barra de ouro puro do que encontrar pessoas inteligentes na internet. E mais frequente que os imbecis virtuais, são os manés que disfarçam sua cretinice com algumas pitadas de conhecimento geral e um mínimo de bom senso, o que levaria você a imaginar que está diante de alguém comum. Mas não está. Este sujeito com quem você animadamente debate o sistema de cotas ou a guerra no oriente médio, por mais efetivo que seja seu disfarce, não passa de mais um dos infinitos débeis mentais com banda larga espalhados pelo globo.

Por que é tão difícil encontrar pessoas inteligentes na internet? Para responder a essa pergunta, você precisa entender um aspecto muito importante das comunicações internéticas em geral – a internet provoca cretinice. Enquanto no mundo real uma discussão acalorada sobre aquele referendo do desarmamento terminaria com um dos dois lado admitindo que opiniões são opiniões e que se há uma coisa sagrada que todos concordam, é que o Xbox360 é muitíssimo melhor que um PS3, a mesma discussão na internet não acabaria de forma tão feliz. Você diria que o sujeito defende o desarmamento porque ele está aprovando um improvavel golpe de estado, enquanto o outro diria que sua opinião pró-armas apóia a violência no país, e antes que o moderador do fórum pudesse suspender um de vocês dois, mães já estariam envolvidas nos xingamentos e alguém acabaria com uma denúncia registrada no Ministério Público por calúnia e/ou difamação.

E por que isso acontece? Porque ninguém inventou ainda um periférico que permita esmurrar um internauta através de seu monitor. Enquanto a comunidade científica se ocupa com bobagens que vão desde cura do câncer a exploração espacial, eu não posso discutir tranquilamente na rede virtual sem que um imbecil meta as fuças no meio da conversa e vomite seus pensamentos desconexos que apenas com muita boa vontade poderiam se passar por um argumento. No dia que a Creative ou a Apple lançar seu esmurrador remoto de pessoas imbecis (contanto que o aparelho não exija o pagamento de um serviço adicional, nos moldes do Xbox Live), estarei na fila da Best Buy.

iPunch” tem uma sonoridade boa, admita.

Como um bom desocupado (bom, na verdade nem tanto atualmente, mas serei sempre um vagabundo de coração como vocês), eu me encarreguei com a tarefa de identificar e quantificar a imbecilidade do Internauta Comum. Após ler este texto, você nunca mais terá que se perguntar “Será que este sujeito que defende a qualidade musical do último CD dos Los Hermanos é um imbecil?”, embora essa devesse ser uma pergunta retórica pois é sabido que qualquer pessoa que não nutra respeto pela banda é, de fato, um idiota sem salvação.

 

Primeiro patamar de imbecilidade
Pessoas que pontuam frases com pontuação excessiva
É impressionante que nos dias de hoje ainda há pessoas que criam tópicos em fórums com o título “alguém sabe onde posso pegar o instalador do fotoshope” acompanhado de trinta ou trinta e um pontos de interrogação, costumeiramente enfiando um ponto de exclamação no meio ou algumas barras e uns. O que eles estão pensando? Que a quantidade exagerada de pontuação desnecessária irá apressar a resposta à sua dúvida?

 

Sinto um misto de pena e desprezo quando presencio um destes retardados (que infelizmente são bem mais numerosos do que um Deus justo e amoroso deveria permitir) comunicando-se com sua característica pontuação excessiva. Na maioria esmagadora dos casos que presenciei em minha longa interação com a rede mundial de computadores, pessoas que pontuam frases com “!!!!!!!!?????” costumam também usar “rsrs” e enviar para os seus familiares apresentações de powerpoint que já eram velhas quando o muro de Berlim caiu. Preciso dizer mais alguma coisa?

 

No mundo real, este imbecil…

Seria o tipo de pessoa que, durante uma conversa entre amigos, faz um comentário irrelevante qualquer em forma de uma exclamação exagerada. Imagine a situação:
– Porra, eu adorei aquele filme.
– Eu também. Bons efeitos especiais, ein?
– É VERDADE PESSOAL, AQUELE FILME FOI O MELHOR QUE EU ASSISTI ESSE ANO!!!!!

Evite qualquer contato com esse tipo de gente, ainda que seja apenas contato visual a uma distância de cinquenta metros. Você não vê nenhum fã do Clube da Luta dando um pití desses, por mais que o filme seja foda.

Segundo patamar de imbecilidade
Pessoas que correm pra delatar outros internautas pras autoridades forísticas
Embora há alguns anos (lá por volta da quinta série) xisnovear (do erbo Caguete) coleguinhas de sala pra “tia” e assistir a subsequente confusão era divertido, saudável e até educativo, é provavelmente uma boa coisa o fato de que a maioria das pessoas evoluiu daquela fase (também conhecida como “pré-adolescência” ou “virgindade”). Entretanto, além de pornografia, a internet também é notória por trazer a tona a criança retardada que vive dentro de cada um de nós. E um dos comportamentos clássicos desse tipo de gente é a mania quase patológica de delatar os outros. Sou um inveterado leitor de blogues e congêneros, e posso afirmar que nhum outro terreno é mais fértilo para a imbecilidade que um editor de textos ou espaço para comentário, por mais limitada que seja a quantdade de caracteres. (E EU NÃO TENHO TWITTER. Minha namorada tem, eu já rio o suficiente.) Esses protozoáros imbecis ainda não domaram as técnicas mais rudimentares de convívio social, então eles costumam falar e fazer idiotices o tempo todo, irritando a parcela não-imbecil da blogosfera – assim como uma segunda qualidade de imbecis, também. Estes últimos se imbuem da responsabilidade de caçar os provocadores de confusões e destruir sua influência maligna no ambiente. Todo dia recebo scraps e emails me avisando de que alguém falou “isso”  ou "aquilo" em tal site sobre meu blog ou algum texto meu, ou que um outro fez montagens com as fotos da namorada de um terceiro e querem que eu publique, e daí pra baixo (ironicamente, isso aconteceu bastante comigo recentemente).

Os dedos-duros virtuais vivem num mundo fantasioso em que a infraestrutura de um site como o orkut não poderia resistir sem a sua influência benevolente, e portanto agem de acordo. Como o ESPALHANDO CÂNCER poderia funcionar normalmente (e por “funcionar normalmente” entenda-se “exibir centenas de tópicos irrelevantes, uma lista de comentários onde obrigo os gênios e poetas a dividirem a barra lateral com imbecis patológicos e um ou outro spam genérico) sem que eu o vigiasse constantemente, impedindo que baderneiros orundos dos confins do orkut exalem o fedor da confusão virtual no coreto? (?!!//1)

Normalmente, delatores virtuais abraçam a agradável ilusão de que eles são de alguma forma superiores aos criminosos virtuais que deduram. Isso nao passa de um engano; embora suas imbecilidades se manifestem de formas dimetralmente opostas, ambos ocupam o mesmo patamar de imbecilidade online – e ainda assim, considera-se o incitador com um pouco mais de prestígio que o justiceiro virtual, porque enquanto o incitador age por lazer, seu antagonista defende o ambiente virtual como se isso fosse algum tipo de trabalho voluntário não-remunerado. E todos sabemos que tipo de gente faz trabalho voluntário – hippies, pessoas com problemas de consciência, ex-viciados, puxa-sacos e aquele povo estranho do Greepeace.

Alguns vão ainda mais longe em sua disposição em policiar a internet e até “formalizam” a coisa (o que reflete uma violenta necessidade de reconheimento). Quando três ou mais desses indivíduos se reúnem, surgem abominações como os auto-proclamados Justiceiros do Orkut ou 90% dos usários do Twitter. Tais comunidades se sustentam tanto pela colossal estupidez de seus membros, quanto pela seu igualmente colossal desejo de anexar uma mínima quantia de autenticidade ao seu grupo de vigilantes da interweb. Os casos mais perdidos dessa espécie pensam até em registrar seu grupinho em cartório, isso se já não tiver impresso carteirinhas de sócio para os companheiros.

No mundo real, este imbecil…

…Seria como o Diego Alguma Coisa, que era por sua vez um moleque roliço com quem eu cursei a terceira ou quarta série há bilhões de anos atrás. Estudávamos num colégio religioso (a orientação era adventista, pros curiosos) e conversar telepaticamente com Jesus logo no início das atividades escolares diárias era uma prática inviolável. Por um motivo ou outro, num belo dia decidi que não estava afim de bater papo com divindades e manti meus olhos anarquicamente abertos durante a cerimônia.

Aí que entra Diego Alguma Coisa, que foi rápido em avisar à professora ao fim da oração que “O FELIPE TAVA DE OLHO ABERTO, EIN TIA!” Jumentíssimo, a rolha de poço não deve ter notado que com a sua acusação, ele havia acabado de admitir que também não havia participado do ritual religioso. Não sei que fim levou o desgraçado, mas consigo até imagina-lo enviando scraps pros moderadores de suas comunidades favoritas, avisando que o Fulano de Tal e o Sicrano da Silva são na realidade semeadores da discórdia.

 

 

 

 

 

 

Terceiro patamar de imbecilidade
Pessoas que abraçam fama virtual inexistente
A internet deu a muitos Zé Ninguém a oportunidade de falar bobagens pra um número bem maior de pessoas do que a geografia normalmente permitiria. Invariavelmente, alguém acabará achando que o Zé Ninguém é um rapaz muito especial e, meu deus do céu, vai até admitir pro rapaz sua opinião via um email elogioso muito bem redigido, tomando o maior cuidado de se identificar como um “não-paga-pau, como aqueles outros”. Quando dez ou mais pessoas fazem o mesmo num espaço curto de tempo, Zé Ninguém começa a achar que é de fato algum tipo de celebridade. É o nascimento de uma estrela virtual.

Já troquei umas idéias com estrelinhas virtuais no passado (ou, em retrospecto, pessoas que acreditavam ser estrelinhas virtuais), mas em casos como o do famosíssimo Thiago Fialho, ao menos havia algo que pudesse levar o coitado a ver-se como algum tipo de ganhador do prêmio Nobel ou coisa que o valha – afinal, o Fialho é dono do mais famoso e simultaneamente desconhecido videolog da internet do mundo inteirinho, supostamente o primeiro de toda a galáxia, e isso deve valer ao menos uma entrada grátis no cinema local quando você informa o guichê de que tremendo VIP você é. Entretanto, o orkut está fazendo muita gente acreditar que é importante por motivos bem mais idiotas.

 

Disclaimer: pra ser sincero, poucas coisas são mais idiotas que se achar mundialmente famoso porque o seu site idiota com vídeos igualmente idiotas tem 300 visitas diárias e foi citado numa coluna de 4 linhas na Gazeta Semanal de Juazeiro do Norte, mas darei uma colher de chá pro garoto Fialho, porque ouvi dizer que o primo dele conhece um sujeito que tem o telefone de um advogado.

Como eu estava dizendo, os sedentos por reconhecimento acharam no orkut um novo motivo pra gabar-se de sua influência inexistente – números arbitrários regidos por um software mais bugado que a versão beta do Windows 3.11 e que na verdade não significam absolutamente NADA.

Quantas vezes você estava xeretando o perfil de sua ex-namorada e acabou sendo atraído a um outro perfil, um que mostrava uma garota mais exuberante, apenas pra ser surpreendido no perfil da vadia com pedidos chorosos de que você junte-se às variadas comunidades de pobres coitados que supostamente a amam?

Como se o orkut não fosse exclusivamente lotado de comunidades imbecis e que o ato de criar uma comunidade exija tanto esforço quanto beber água usando um canudinho motorizado, algumas pessoas têm o ego masturbado quando são informadas de que alguém montou um grupo em sua homenagem, como se isso fosse o equivalente a usar seu nome pra batizar um navio ou esculpir um busto de marfim ou algo assim. Mais que isso, a pessoa (geralmente mulher, vai entender) joga qualquer sombra de dignidade na privada e passa a rastejar-se nas sarjetas virtuais daquele antro de idiotas recrutando mais participantes pras comunidades criadas em sua honra. E dá-lhe Spam, mano.

Isso pra não mencionar alguns sujeitos que, quando não se gabam do número de “amigos” que mantem no site, queixam-se em voz alta em relação aos bugs orkúticos que exibem no perfil do sujeito um número de “fãs” inferior ao que ele realmente tem. Notou as aspas sarcásticas? Não costumo usá-las sem bom motivo. A definição de “amizade” no orkut é “atitude de aceitar meu pedido virtual por meio de um clique em um botão”, ao passo de que o significado de demonstrar admiração fanática é “atitude de… clicar em um botão”. Se você está convencido de que o fato de que 500 pessoas clicaram em um botão em sua honra significa que eu devo reconhecer a sua importância, por favor, vá lamber sua própria bunda.

No mundo real, este imbecil…
Eu nem consigo imaginar que tipo de comportamento seguiria a já horrível atitude de respectivamente esmolar e se gabar atenção e importância no orkut, o que é um bom sinal para a humanidade em geral.

Quarto patamar de imbecilidade
Vovôs virtuais e seus maçantes sermões sobre educação internética
Já percebeu que você mal pode mandar um idiota se foder que rapidamente um policial elitista da moral e bons costumes aparece em cena pra dar a sua opinião babaca a respeito de que você não tem o direito de se expressar daquela forma na internet, e que blá blá blá blá blá crianças estão lendo blá blá blá? Sob investigação mais cuidadosa, 90% dos indivíduos que opõem-se às suas demonstrações de liberdade de expressão revelam-se ter mais de quarenta anos. Aí reside uma combinação drasticamente idiota – gente velha e a internet (ahn... melhor eu ir com calma aqu).

Gente velha – e pra fim de debates, estabeleçamos “gente velha” como qualquer ser humano vivo que já era adulto nos anos 80 e que portanto pôde apreciar clássicos como Capitão Planeta ou Família Dinossauro* – tem uma habilidade impressionante de não se adaptar a mudanças. Idosos não apenas não se adaptam aos avanços da sociedade ao seu redor, mas ativamente lutam para manter um ambiente de comportamento retrógrado e ultrapassado onde quer que estejam.

Vamos deixar algo bem claro – se eu estou mandando alguém se lascar,foder, danar ou tomar algo em lugares inópitos, esta pessoa provavelmente merece o gasto de energia resultante na digitação e publicação de tal ofensa. Se eu julguei que o dispêndio de tempo e esforço dedicados na tarefa de ridicularizar o sujeito perante seus coleguinhas era justificável, compreenda, você simplesmente não sabe do que está falando se tenta argumentar comigo que eu não devo tratar as pessoas desse jeito e que no seu tempo os mocinhos eram mais educados e a gasolina era mais barata e computadores ainda tinham monitores monocromáticos e blá blá blá blá. Você fala demais, e pior que isso, fala demais sobre algo que ninguém quer ouvir. Cale a boca e aceite que a internet existe com o único propósito de facilitar a entrega de ofensas mundialmente.

(Nota: Fui tomado no parágrafo anterior por um surto de ira que não expressão a totalidade de minhas opniões à respeito do assunto abordado. Devo ressaltar que alguns, ouça bem, algumas pessoas com mais de 30 anos sabem manejar um mouse sem sofrer nenhum tipo de humilhação pública)

No mundo real, este imbecil…
Assiste novelas reprisadas no Vale a Pena Ver de Novo e relembra nostalgicamente a respeito de que, quando a novela passou pela primeira vez, os comerciais nos intervalos eram da Mesbla e das Lojas Riachuelo. E também que naquela época um garoto de 14 anos não tinha métodos tecnológicos pra utilizar quando queria desrespeitar um idoso.

 

Bom, isso é basicamente um resumo de todos os imbecis que povoam a internet em geral. Há aqueles que vão além de nossas expectativas e não se enquadram em apenas um, mas dois ou até três perfis de imbecis virtuais.

Desafio você a se dirigir ao botão de comentários mais próximo e não encontrar ao menos dois internautas que se encaixem direitinho nas descrições que você acabou de ler aqui.

É batata.

 

Ah, e só mais uma coisa: *Aê velharada que lê este blog: façam-me o favor de me poupar do comentário clichê “ahhhh mas eu tenho 50 anos e curtia Capitão Planeta e/ou Família Dinossauro!

E NÂO, não gosto de JETSONS!

publicado por Felipe Lacerda às 14:14

Fevereiro 15 2010

A minha namorada viajou. A dele também. Logo, fomos jogar sinuca. Tudo começou no buteco mais submundo do Porto velho, com suas sinucas com luminária encima e  garrafas de vodka com drinks de “graça”… algumas garrafas de vodka depois, já eram  4 e lá vai porrada, tarde demais pra voltar pra minha humilde casa. À convite do meu amigo, decidi trair minha religião, versículo dois parágrafo sexto: "Nâo dormireis fora de casa a menos que haja um excelente motivo e que esse excelente motivo use saia". Cometida a heresia, chegamos ao apartamento do Luis. Eu fui tomar banho, (pra tirar terra? Onde eu me sujei de terra?) ele foi ver TV e molestar alguma adolescente no MSN, eu acho… de repente enfio a cabeça pra fora do banheiro… e todo o apartamento está tomado por fumaça, enquanto ele, sentado no sofá, teclando absorto em meio aquele cenário de Silent Hill. Dou um grito:

- Meu.. que fumaça toda é essa?

- Ah… não tá vindo do banheiro? Pensei que fosse da água quente do chuveiro..

- E esse cheiro de queimado?

- Ai.. meu Deus.. as batatinhas..

- Batatinhas?

Vamos em direção a cozinha.. e onde antes havia uma panela em cima do fogão.. só se vê uma imensa chama.. ele olha pra mim inconformado:

- Merda.. as batatinhas… vou ter que ligar para a pizzaria..

- Ahn? Pizzaria? Não sei se você notou.. mas você está botando fogo no apartamento… acho melhor você ligar para os bombeiros..

- Ligaria.. mas duvido que eles tenham algo para comer lá..

- Eu to falando sério…

- Eu também.. o pior é que eu também…

- Vamos pegar o extintor no corredor e apagar isso.. antes que o prédio seja tomado por chamas e os vizinhos venham aqui reclamar.

- EXTINTOR? Você tá doido? Vai estragar as batatinhas..

- Ahn.. me chame de sóbrio.. mas eu acho que o fato delas estarem queimadas já as tornou imprópria para o consumo.

Pegamos um extintor do tempo de Pedro Álvares Cabral.. que fez de tudo.. inclusive cortar meu dedo, mas apagar o princípio de mega incêndio.. que era a intenção.. nada. Já estava me vendo como tema de reportagem do Cidade Alerta:

- Corta para o prédio, corta pra mim, corta para a cara desses jovens de classe média, criados sem limites.. É uma vergonha.. onde  é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? Jovens de um condomínio de classe média.. em MInas Gerais se embebedam e colocam fogo no prédio.  Põe na tela, primo! Porque eu falo mesmo.

E no meio dos devaneios a brilhante idéia.

- Boa noite, Tenente Carlos.

- Ahn.. boa noite.. então.. não ria.. mas olha só… estávamos fritando batata.. esquecemos a panela no fogo.. e agora tá pegando fogo… o que devo fazer?

- Certo, já desligou o fogão?

- Sim.

- Tem alguma coisa perto da panela? Um botijão ou algo do tipo?

- Sim.. sim.. tem…

- Certo.. em primeiro lugar em hipótese alguma tente apagar o fogo com água..

- Tá.. em hipótese alguma (vou repetindo para o pateta das batatinhas, se afastar com o copo de água.. mas..) Nãoooo.. Não… NÃOOOOO…

- O que foi senhor?

- Xiiii..o “em hipótese alguma aconteceu”.. e a água aumentou o fogo…

- O senhor mora em casa ou apartamento?

- Apartamento.

- Acha que consegue tirar a panela de perto do botijão? Tem sacada no apartamento? Ou área de serviço mesmo.. acha que consegue por a panela lá?

- Ahn. Acho que sim..

- O senhor quer que encaminhe uma unidade até a sua casa?

Carro dos bombeiros, sirene, bombeiros olhando com apreensão jovens bêbados colocando fogo em casa e os vizinhos comentando por 1 mês…

- Não, não.. não precisa..

- Tem certeza?

- Sim.. sim.. só tirar de perto do botijão e deixar o óleo terminar de queimar, né?

- Sim… mas se o senhor quiser.. a gente se dirige até sua residência com a viatura..

- Qual é a outra opção?

- Bem.. se não tiver nada por perto, é só deixar o fogo apagar sozinho, cerca de 15-30 minutos.. dependendo da quantidade de  óleo na panela

- Ah.. então.. não precisa vir não.. o fogo até já diminuiu… (mentira!… afinal.. bombeiros, sirene, vizinhos..)

Ok.. eu.. como pessoa mais sóbria da casa e portanto, menos inflamável (hahaha), munida de muita coragem e luvas para pegar coisas do forno (porque um cara solteiro tem isso em casa? Não imagino o luis fazendo um apetitoso Cok'oVine), corajosamente, pego a panela e vou calmamente caminhando até a área de serviço. No meio da minha corajosa caminhada, eis que a campainha começa a tocar freneticamente. Ele vai atender, e o vizinho do lado entra desesperado:

- Nossa.. o que tá acontecendo aqui? Cheguei agora e o andar tá tomado por fumaça…

Patéticas cenas de uma pessoa bermuda emprestada (ou seja: Ficou larga), chinelinho emprestado (ou seja, ficou grande pra mim) e luvas  de cozinha (meu mega visual de bombeiro) de olhos fechados, apavorado, caminhando até a sacada.

O vizinho olha pra mim espantado:

- Lacerda? É você debaixo dessa cara preta de quem acabou de ser resgatado de uma mina de carvão?

- Ahn?..

Então, com a tarefa cumprida, me olho no espelho… e estou parecendo uma retirante que passou um mês rolando no carvão… e lá vou eu tomar outro banho, dessa vez deixando ele com a supervisão do vizinho adulto e responsável.

 

PS: Sim, eu sei.. eu sou um desnaturado! Mas os dias andam corridos e eu com minha preguiça habitual. Prometo responder atentamente os emails recebidos, menos aquele do Panda. Vai se fuck, meu. Minha namorada está me traindo no Carnaval só porque a SUA está. Não é , Marielle? ... Marielle?

PS2: No carnaval do ano que vem vou de gaiato num navio pra tailândia.

publicado por Felipe Lacerda às 21:40

Fevereiro 15 2010

Eu gosto de trabalhar com papel, com planilhas, com coisas chatas, repetitivas e frustrantes como rotinas administrativas, Departamento pessoal e ORIENTAÇÃO COMERCIAL, que é o que faço. Ter uma mesa , um grampeador com meu nome, uma cauculadora com meu nome, uma gaveta com chave, um computador, uma pasta com meu nome... isso faz meu trabalho parecer importante. MAs tem uns detalhes:Gosto de trabalhar sem ter que atender o telefone 304939304 vezes por dia, eu gosto de trabalhar sem ramal, sem e-mail corporativo com mensagens do tipo “antes de imprimir pense no meio ambiente”. Gosto de fazer meu trabalho burocrático na paz da minha sala.

Mas como sabemos que Deus fecha um olho ao me ver passar, que é pra mirar melhor, o meu trabalho NAO È ASSIM.

Sou Orientador Comercial de uma poderosa franchise de cursos profissionalizantes (Ohhh). Acertou quem disse que eu trabalho com vendas. Isso significa que faço o que faço de melhor, que é argumentar, falar e falar. Essa é a parte prazerosa, realmente gosto das habilidades que disponho. Então, seria perfeito se a empresa usasse meus dotes messiânicos de persuasão para resolver todos as questões mais cruciais enquanto as meninas vendiam em suas mesinhas, felizes e serelepes como são. Daí, qualquer emergência elas apertavam um botaão vermelho embaixo da mesa e soaria um alarme na minha salinha com ar consicionado e eu iria vondo para lá, heroicamente resolver tudo.

SERIA perfeito, note bem o verbo.

Acontece que o meu patrão cismou que eu tenho cara de simpático, jeito de simpático e uma assinatura personalizada fodona que impressiona os clientes. A prática da vida nos distancia da arte ideal. Meu chefe me obriga a trabalhar com dois ramais e atendendo gentes e gentes que vão lá especialmente para escutar o que eu acho, como se fazer um curso de informática básica ou Rotinas Administrativas pudesse qualificar você para entrar, sei lá, na CIA (talvez se começássemos pelo inglês, quem sabe?) , mas eu nunca digo o que acho.. Eu digo o que o mercado acha.. E é sempre muito chato ter que saber o que o mercado acha. Minha namorada ficou rindo de mim quando contei os impropérios do mau uso da ironia e acidez numa negociação.

Juro que queria os arquivos abarrotados daquele lugar e o trabalho burocrático, mas eu acabei no trabalho de relacionamento direto com clientes... e quando você trabalha lidando de forma íntima (ui!) com pessoas, você descobre que elas são basicamente iguais as plantas, parece que é só aguar, mas…

O mundo corporativo é mais do que um lugar que te faz usar gravatas, um corte máculo no cabelo e um olhar  de Jack Bauers. O mundo corporativo é um lugar onde o flerte rola mais solto do que em casas de swing, a diferença é que todo mundo permanece vestido e a maioria não está lá por vontade própria. Usar um crachá  com seu nome embaixo das palavras "Orientador Comercial" é quase como fazer parte do clube das mulheres, se você tem um crachá e uma mesa grande, você será uma das pessoas mais assediadas, mesmo que pessoalmente você pareça um maracujá…

Bom, eu tenho um crachá, uma mesa grande e uma cara  pateta de smurf com fome… se você fosse uma  mulher maluca, carente e psicopata… quem você escolheria para te atender?  Yeah! Uhú!

Pessoa parada na frente da minha mesa, me olhando fixamente, me olhando fixamente, me olhando fixamente. Sorrio:
- Pois não? Posso ajudá-la?
- Oi – diz sorrindo – Lembra de mim?
- Ahn.. desculpa.. eu sempre tive esse meu sério problema de lembrar fisionomia, já encontrei meu irmão na rua e não o reconheci… E já são uns 18 anos juntos desde que o conheço.
- Ah.. eu não acredito que você não lembra… eu disse que gostava de homens inteligentes.. que liam.. você disse “nota mental: ler mais em público”, fizemos sexo selvagem em lugares públicos. Como você não lembra?
Quem estava do lado começa me olhar com aquela cara de “oba, pornô grátis às 2h da tarde”, mas tentei manter a simpatia corporativa:
- Bem.. eu costumo lembrar das pessoas com quem faço sexo..
- Mas você disse que às vezes não lembra nem da cara do seu irmão.
- Bem.. uma coisa não exclui a outra… eu disse que lembro da cara das pessoas com quem faço sexo e nunca fiz sexo com meu irmão.
- hahaha.. Boa.. então.. meu nome é Thais, já fizemos sexo, mas você não estava lá… mas foi só por falta de oportunidade, porque no fundo queremos.
Mantenho um sorriso meio amarelo e começo a desejar ser um avestruz para ter onde enfiar a cara nessas situações bizarras… como medida paliativa:
- Com licença, vou chamar meu chefe para te atender.
- Não, não.. espera… eu tava brincando, vai… e seu crachá diz que você é o chefe. Eu não sou uma tarada psicótica que vai roubar seu crachá para usá-lo no banheiro. Você me atendeu há uns dois meses… na verdade não faço parte da sua carteira de clientes.. sou cliente da escola X, mas você foi tão simpático da outra vez, será que não poderia me ajudar dessa vez? Eu bloqueei minha senha de consulta na internet. Poderia desbloquear e fazer outra pra mim?
- Tudo bem, me empresta seus documentos. A senha são 6 números. Não pode ser sua data de nascimento, não pode ser número em seqüência, não pode ser o mesmo número repetido seis vezes.
- E a sua pode?
- Oi?
- A senha pode ser a sua data de nascimento?
- Ahn… não é uma boa idéia.. até meu pai tem problemas para lembrar minha data de nascimento.
- E número de telefone.. pode?
- Claro… digite aqui.
- Ok.. qual é seu telefone?
- Oi?
- Tem que ser um número que eu não esqueça, não é? Então.. qual o seu telefone?
- XXXX XXXX
- Ei.. esse é o número daqui..
- Não deixa de ser meu telefone…

 

True Big Boss: Sabe quem era essa mulher que você estava atendendo?
EU: Não sei ao certo.. mas depois de tudo que li no jornal por esses dias.. eu diria que ela parece muito a filha do Tiger Woods com a Rhianna, mas uma Rhianna feia de uma realidade paralela.
True Big Boss: Bom, conta bancária pra isso ele tem.
EU: Eh.. e aparentemente compulsão por sexo também.

 

publicado por Felipe Lacerda às 20:52

Fevereiro 14 2010

 Seu cabelo está péssimo hoje. Vamos começar na futilidade. É a futilidade que se encarrega de maestrar a sinfonia dos ignorantes. 

Você aí não precisa gostar. É sério. Quando pedi sua opinião, 48 horas atrás, você disse que ela não servia.

Ora essa, ela serve perfeitamente. Mais que isso, ela existe de forma única pra mim.

 

Melhor que você, não acha? 


Uma massa disforme de senso comum.

 

Volta pro esgoto, baby. VÊ se alguém ainda te quer.

 

E quando quiser falar de amor, converse comigo.

Dessa merda eu entendo.

 

Adeus.

publicado por Felipe Lacerda às 16:46

Fevereiro 10 2010

Eu já fiz sexo com você, mas vocẽ não estava lá.

Se não estiver muito ocupada, gostaria de requisitar sua presença na próxima.

Que tal esse fim de semana?

 

 

publicado por Felipe Lacerda às 14:49

Fevereiro 10 2010

Tudo o que eu criar, seja letra ou seja música, imagem ou som

vai me abraçar de novo

como tudo o que encerra o sentido

do que prevalece em nós.

 

Felipe Lacerda

publicado por Felipe Lacerda às 14:39

Fevereiro 08 2010

Talvez você não saibas ainda, andas meio offline, mas meu amor por ti é como uma canção de glória de Tatooine, é como passar de fase no Donkey Kong, é como um solo de Guitar Hero. 

Você é meu Save Game, o cooler do meu processador, o meu botão de power, O Y do meu "meia lua pra frente". 

É o meu pokemón preferido, minha air guitar, meu controle remoto, meu login e minha senha, é meu password, você é minha manha de vida infinita. 

É a Força que está comigo, é a luz do meu sabre, minha princesa Léia, você é meu mestre Jedi.

Minha personagem de mangá de cabelo colorido, o pó do meu pirlimpimpim, seu cheirinho parece o cheiro de história em quadrinhos nova.

Você é o título do meu livro, os créditos do meu filme. Você é o cogumelo do meu Mário, o turbo do meu Top Gear, o Sonic do meu Master System.

Você é o Jo Ken Po do meu Alex Kid. É meu capacete do Darth Vader, a entrada onde conecto meu USB,

Amar você é como zerar Mario World com todas as estrelinhas, é como dar Fatality no Shao Khan. Amar você é como ter superpoderes, é usar uma cueca por cima da calça.

Você é minha fase bônus, meu bug no sistema, minha sére limitada, meu bonequinho do Jaspion, meu olho de Thundera, minha Espada de Greyskull. Você é o fantasminha do meu Pac Man, minha pecinha de Lego perdida, o trem do meu ferrorama, o game boy que eu jogo todo dia na cama.

Você brilha como as luas de Krypton,  é bela como as coxas de uma uma streeper de Sin City. Seus cabelos parecem um comercial de xampú. Ver você andar pela rua é como assistir a um filme de Rdley Scott, beijar você é como assistr qualquer coisa do Tarantino. Você, minha personagem do Woody Allen, meu vídiozinho pornô em 3gp, minha visão além do alcance (que faz meu olho de thundera crescer)...!

Tudo isso porque, do fundo do meu disco rígido, eu nerdicamente TE AMO. 

 

 

publicado por Felipe Lacerda às 16:18

Fevereiro 08 2010

Não gosto de PUNK ROCK. É uma preferência pessoal, só isso. MAs quero que você ouça essa banda, liderada por Tiago Jardim. Conheci Tiago há alguns anos, e não apenas assisti alguns shows da banda como tive o prazer de dividir o palco do Muraski. Percebe-se no som da banda toda uma postura e atitude punk, mas preste atenção nas linhas de xontrabaixo, você achar ali o bom e velho blues. Talvez no jeito do tiago cantar, sem se importar muito9 com Afinação e se concentrando na LETRA que está cantando... uma pérola rara nestes tempos modernos de virtuosismo exagerado e carência de conteúdo, tempos difíceis de NX Zero e companha. Alcatéia nos mostra o bom e velho estilo de se fazer música, da época em que ter uma guitarra era empunhar uma espada. Cheia de protestos e convulsões clássicas do gênero, ouvir esse disco é como tomar um tapa na cara, um chute no umbigo e um beijo na boca, ao mesmo tempo. E isso foi um elogio

Muito diferente do que se vê no próprio gênero "PUNK", Tiago consegue conduzir sua trupe (trupe é o ideal mesmo) por linhas mais altas do raciocínio em suas letras que, embora gramaticamente simples e acessíveis, carregam um ardor verdadeiro e desbocado, falando algumas verdades que raramente são ditas num microfone, sem poupar palavrões de altíssimo nível.

Aconselhável para sons Stereo e vzinhos irritadiços.

Destaque para as músicas "Políticos" e Blues Infernal".

 

Para baixar as canções da Alcatéia é só clicar aqui:

www.bandasdegaragem.com.br/alcateiapunkblues

 

E para contatar Tago Jardim no orkut:

http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=6849342541420244440

 

 

 

publicado por Felipe Lacerda às 12:44

Fevereiro 05 2010

Magia é sutileza

Um poema é uma mentira

pela força da leveza

a forma que anuncia

 

A verdade nunca basta

quando amamos uma mentira

Um cigarro na sacada

onde a vida não cabia

 

(és meu veneno a tua boca se me beija à luz do dia

quando diz que a alma é pouca

quando amas tão vadia

quase nunca negas fogo

quando quema se anuncia

é quando a alma foge ao corpo

e me agarra feto coisa de magia)

 

Desde sempre acreditei

na praticabilidade do impossível

nas ondas da TV

nas janelas dos vizinhos

 

Um dia cheguei perto,

bem perto,

De ser feliz na vida. 

 

Na verdade me corrói

Ser poeta e vício, outra puta ironia

Seria mais forte o sangue do herói

se não fosse a heroína.

 

 

 

publicado por Felipe Lacerda às 11:43

Alto, loiro, sarcástco, finamente irônico, ator, escritor, ano 87, à alcool, sére luxo, estofado de couro, rodas de liga leve, direção hidráulica...
O Autor
comentários recentes
Muito bom o seu post. A poesia é alog que sempre v...
Na boa cara, muito pomposo este seu artigo, mas v...
Adoro este blog e já o leio à alguns dias a acompa...
Eu não sei quem sou e você sabe quem é? E se não s...
"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de alm...
deve se orgulha sim você é o OVULOZORD Da turma a ...
Como vc num deu nome aos bois, vou concluir que fo...
Como estabelecido entre o conselho nobre... aqui e...
Aquela do "rédeleibou ou aici" é pior... Vai por m...
http://poecinzas.blogspot.com/2009/09/uma-carta-pa...
pesquisar